Qual é o instrumento mais fácil para iniciar na música?

Essa é uma das perguntas mais feitas por quem procura uma escola de música, principalmente por pais e mães interessados na iniciação musical dos filhos. Porém, antes de respondermos essa pergunta, precisamos fazer outra: “Qual instrumento musical mais me interessa?”


Um dos instrumentos mais escolhidos, sucesso de matrículas em toda escola de música, certamente é o violão. Versátil, se adapta a praticamente todos os gêneros, fácil de transportar, ótimo para acompanhar cantores e muita gente tem um em casa. Além disso (ou talvez por isso) ele é um dos principais inspiradores ao pontapé inicial na música. Todo mundo tem um ídolo ou um tio que toca violão.


Outros instrumentos que fazem muito sucesso, são o teclado, piano, violino, bateria e claro, a voz, instrumento nato do ser humano. Também populares, mas com gêneros mais específicos, podemos considerar o cavaquinho e a viola caipira, muito presentes em nossa cultura.


Não podemos desconsiderar os instrumentos de sopro, tais como flauta, saxofone, clarinete, trompete, etc. As possibilidades são inúmeras, por isso é tão importante tomar como primeiro passo a escolha de um instrumento que te agrada e que faça parte do seu gosto musical.


Pensando primeiramente nas crianças, não podemos negar que alguns instrumentos são mais indicados durante a iniciação. Ensinar violão, por exemplo, para uma criança de 4 anos pode se tornar um desafio enorme, basta compararmos o tamanho do instrumento em relação à criança. Mas isso não quer dizer que uma criança de 4 anos não poderá tocar violão, apenas não é tão recomendado por esse e outros motivos.


Em nossa escola de música recomendamos que toda criança inicie o aprendizado de um instrumento específico por volta dos 6 ou 7 anos, junto a fase de alfabetização. Esse processo facilita o desenvolvimento de inúmeros conteúdos, principalmente os de leitura. Para as crianças abaixo dessa idade, recomendamos a musicalização, que trabalha em sua essência elementos como ritmo, percepção, canto e a sensibilidade artística de modo geral, desenvolvendo uma base importante para a iniciação em qualquer instrumento.


Violino, flauta, ukulele e piano são ótimos instrumentos para a iniciação infantil. Os três primeiros por uma questão de apego e claramente, tamanho. São instrumentos, que além de possuírem ótimas metodologias de ensino para criança, serão itens de cuidado e carinho. Uma criança que aprende a cuidar e valorizar um instrumento desse porte, certamente terá uma motivação a mais para aprender. Já o piano, é um instrumento visual e de fácil sonoridade. As teclas estão ali, de forma clara, cada uma em seu local específico, facilitando a relação e absorção de informações.


A partir dos 10 anos, aproximadamente, já podemos trabalhar melhor com a livre escolha. Qualquer instrumento fica mais fácil de manusear, cada um com suas características específicas. Vale ai, dois momentos importantes do aprendizado, a paciência e a experimentação.


Algumas pessoas, independentemente da idade, procuram um curso musical, frequentam por algumas semanas ou meses e desistem, abandonando de vez o sonho de tocar um instrumento. Isso pode acontecer por vários motivos, mas podemos considerar a falta de paciência e a experimentação como dois fatores importantes.


Tocar um instrumento leva tempo, alguns levam mais, outros menos, mas exige tempo. Saber analisar esse tempo e planejar pequenos objetivos, ajudam no processo. A falta desse planejamento muitas vezes pode frustrar um aluno que pretende tocar com domínio total o instrumento escolhido da noite pro dia.


A experimentação também deve ser considerada, tanto pelo aluno, quanto pelo professor. As vezes insistimos meses em aprender violão, mas não nos sentimos a vontade e não sentimos satisfação, quando a nossa verdadeira afinidade pode estar em um instrumento de sopros, como o saxofone, por exemplo. Mas atenção, essa experimentação deve ser consciente e com auxílio, não adianta também experimentar um instrumento por semana e achar que não consegue tocar bem nenhum deles. Lembre-se da paciência, ela também é válida para a experimentação.


Chegamos a conclusão de que não existe um instrumento mais fácil ou mais difícil para iniciar na música. O que existem, são sugestões, que surgem através de uma boa conversa, idade do aluno, acessibilidade ao instrumento. A dica é curtir a música, escolha um instrumento que te agrade, mas não se sinta preso e saiba que todo aprendizado é uma forma de experiência.


Aprender o primeiro instrumento pode ser como aprender a fazer um bolo. Depois de aprendermos a fazer a massa e entender como funciona o processo, podemos nos aperfeiçoar em outros sabores, com uma certa facilidade a cada receita.


Escreva pra gente nos comentários. Qual instrumento mais combina com você?